corrupção

Primeiramente, parabéns! As imagens realmente impressionam e falam por si mesmas.

corrupção

corrupção

Porém, precisamos pensar agora na concretude das nossas reivindicações. Como havia muita coisa acumulada, o que houve foi uma explosão gigantesca onde está sendo expelida toda nossa frustração de anos de conivência diante de absurdos.

 

Isso faz com que este movimento seja, de certa forma, heterogêneo. São múltiplas as reivindicações: corrupção, melhorias na saúde, no transporte público, etc. Muitas não tem nenhuma ligação entre a outra. Algumas são contra tudo. A ligação entre elas está em um sentimento. Um sentimento realmente muito bonito que invadiu cada um dos Brasileiros ao ver a violência da repressão que estamos sujeitos.

corrupção, manifestos e protestos

Mas um sentimento é algo muito abstrato e volátil. E sem algo conciso para ele se agarrar, ele pode ser manipulado ou direcionado para um fim não construtivo (ex: vandalismo).

Temos de ter muito cuidado, pois os manipuladores e aproveitadores estão aí e não é preciso nem citar quem são. É só pensar em quem pode ser particularmente beneficiado pelo movimento.

Por isso há um certo receio de certas pessoas quanto ao futuro deste movimento (ver este ótimo texto). Reconheço o valor desta preocupação. Mas penso que o caminho não é uma linha reta, é uma linha que está se formando e só se forma com muito diálogo e engajamento. Você mesmo, caro leitor, concorde ou não com tudo que está escrito aqui, está contribuindo para isso simplesmente por gastar seu tempo pensando e lendo sobre o assunto.

corrupção, protestos e manifestosO momento agora é de aproveitar este sentimento e o engajamento social para também pensar, discutir e refletir sobre o país. Encontrar uma coesão entre os nossos sentimentos de revolta com aquilo que reivindicamos. Essa ligação, se bem realizada, cria a sólida sustentação que estamos precisando.

O que nós vamos reivindicar de concreto? Porque na ditadura ou no impeachment do Collor existia um claro e específico alvo, ou pelo menos se criou um. O alvo agora não é único. Não adianta somente mudar uma pessoa daqui e outra dali. Vimos durante anos mudanças partidárias e pouca mudança em suas atitudes quando chegaram ao poder.  É necessário algo mais do que substituir: é necessário criar.

Quais são, então, os pilares que sustentam a corrupção, o superfaturamento das obras, os altos salários dos parlamentares, enquanto o salário mínimo fica em R$ 678,00,  a saúde precária, a educação desvalorizada, etc?

Tentei compilar algumas ideias, aproveite o espaço dos comentários dar suas sugestões.

Diminuição dos salários dos parlamentares e instauração do ponto eletrônico: Não é preciso nem falar em números. A hora de trabalho dos parlamentares e muitos outros que direta e indiretamente estão relacionados a eles é supervalorizada. E o que não faz o menor sentido, eles são capazes de aumentar o próprio salário  (Veja aqui o aumento de 2010). Quem não gostaria de aumentar o próprio salário em? Eles precisam estar subordinados a algo ou alguém.

Imunidade parlamentar: Definição: Inviolabilidade dos membros do Poder Legislativo por suas opiniões, palavras e votos. Nessas circunstâncias, estão excluídos das conseqüências penais, a fim de que, com liberdade ampla, exerçam o mandato. Na prática ela é utilizada como escudo para a corrupção. Uma coisa é haver corrupção como em todos os países há. Porém, quando se descobre um ato de corrupção, no Brasil quase não há punição. Temos milhares de exemplos (veja aqui, é de 2011, mas ainda é atual). Crimes de corrupção deveriam ser considerados prioridade, pois afetam indiretamente todos os brasileiros.

Planos de saúde para parlamentares: É um absurdo que aqueles que, de certa forma, são responsáveis pelas condições dos serviços de saúde não se utilizem dela. Com seus salários, eles já poderiam pagar um serviço de saúde particular. Mas ainda assim, possuem planos de saúde para que não se utilizem dos serviços públicos (Veja aqui). É como um cozinheiro que não come a própria comida…

Voto obrigatório: Nas propagandas antes das eleições se fala muito do direito de votar. Mas ele é completamente ilusório e distorcido. Quando algo se torna uma obrigação, não é mais um direito. É exatamente o contrário, não há o direito de não votar. Li um comentário falando que “o povo que vota é o mesmo que está nas ruas agora protestando, estranha não?”. Mentira! O povo que vota são todos os brasileiros, independente de seu engajamento social ou responsabilização com o futuro do país. A eliminação do voto obrigatório possibilitaria o surgimento naqueles que ainda não tem de uma responsabilização maior pelo seu voto. E ainda, valorizaria os votos conscientes pela diminuição do numero de eleitores.

É impossível falar sobre tudo, meu objetivo é abrir a reflexão para que ao invés de reclamar do transporte de modo geral, seja exigido a redução da passagem, o passe livre, mais e melhores ônibus. Ao invés de reclamar da corrupção, se possa lutar contra os pilares que a sustenta. Na educação, que seja demandado um aumento salarial aos professores e maior infraestrutura nas escolas. Seja exigida a reforma política, a diminuição dos impostos, etc.

Vamos nos manifestar contra a PEC 37, mas vamos pensar também nas que poderíamos ser a favor, como essa que torna a corrupção crime hediondo? Ou quem sabe um projeto que obriga a utilização de escolas públicas pelos parlamentares? Ou ainda, que tal algo novo? O que você propõe?

Pensemos…

O que você vai reivindicar de concreto?

O que faria você ficar satisfeito?

 O que você acredita ser possível de ser feito neste momento?

18 de junho de 2013
corrupção

O que na verdade estamos reivindicando?

Primeiramente, parabéns! As imagens realmente impressionam e falam por si mesmas. Porém, precisamos pensar agora na concretude das nossas reivindicações. Como havia muita coisa acumulada, o […]
14 de junho de 2013
o poder e a mudança

Os 20 centavos que mudaram o Brasil

O que são 20 centavos frente a tudo que temos que pagar mesmo? Perto dos R$ 420 milhões doados como incentivos fiscais para construção do estádio […]